Visitas: 52991362 - Online: 200

Quinta-Feira, 21 de Setembro de 2017

Ultrasonografia
LEO





01/11/2012 20:14:02
      
Ao Bope, índios dão pistas sobre bandidos que assaltaram bancos em Comodoro

Policiais do Bope (Batalhão de Operações Especiais) encontraram, dentro de uma reserva indígena, rastros dos assaltantes que invadiram duas agências bancárias - uma do Banco do Brasil e outra do Bradesco -, na cidade de Comodoro (MT) a 110 km de Vilhena, no fim da manhã de terça-feira (30).

Segundo o major Januário, oficial do Bope, as equipes estavam fazendo buscas quando um grupo de indígenas os procurou e informou que, dias antes do assalto, havia um grupo de, pelo menos, seis homens se movimentando na região.


“A equipe do Bope foi até o local e percebeu que não se tratava de um acampamento, mas sim de um local que foi usado para descanso”, disse o major.

Os ladrões estão encurralados numa mata fechada. A idéia é bloquear a área por todos os lados e  quadrilha sem saída.

Durante o assalto em Comodoro, os bandidos fizeram 20 pessoas de escudo humano para garantir a fuga.

Os ladrões levaram todos os malotes com dinheiro das agências bancárias e se esconderam num matagal, a cerca de cinco quilômetros da cidade. O montante roubado não foi revelado.

Fugitivo da PCE

O oficial do Bope também informou que os policiais mostraram para os indígenas um álbum com as fotos de bandidos já procurados e também fugitivos do sistema prisional.

“Olhando as fotografias, os índios apontaram um dos homens que foi identificado como um dos irmãos Ribeiro, o ‘Neguinho’. Ele é assaltante da modalidade Novo Cangaço e estava entre os presos que fugiram após a explosão do muro da Penitenciária Central do Estado, em Cuiabá. As imagens do assalto também mostram um homem com aparência muito semelhante à dele”, explicou o major.

A fuga citada pelo oficial é considerada uma das mais audaciosas já ocorridas em Mato Grosso. No mês de agosto, um grupo fortemente armado foi até a PCE e explodiu o muro da unidade, por onde fugiram 36 presos de alta periculosidade.

Entre os presos que fugiram estavam chefões do crime organizado, que foram presos pela GCCO (Gerência de Combate ao Crime Organizado) por prática em assaltados na modalidade Novo Cangaço.

 

Duas frentes de trabalho

Segundo o major Januário, as buscas aos assaltantes continuam intensas.

O Bope trabalha com duas equipes na região de Comodoro - no total, são 18 policiais treinados para a busca na mata.

Outros 12 policiais continuam com o cerco aos bandidos que assaltaram uma agência do Banco do Brasil, há cerca de 25 dias, na cidade de Marcelândia (710 km a Norte da Capital).
Um dos assaltantes foi morto em um confronto com o Bope, há duas semanas.

“Estamos com duas frentes de trabalho intensas. Uma em Comodoro e outra e Marcelândia. Também temos o apoio de policiais da região e do helicóptero do Ciopaer. A ação dos bandidos foi muito violenta, chocou as cidades e o Estado tem que dar uma resposta à altura, para manter a ordem e tranquilizar a população”, disse o major Janurário.



Fonte: Midia News
Autor: Da redação


teste










Newsletter

Digite seu nome e e-mail para receber muitas novidades.

SMS da Folha

Cadastre seu celular e receba SMS com as principais notícias da folha.






2017. Folha do Sul Online
Todos os diretos reservados - GNT Criativa
Quinta-Feira, 21 de Setembro de 2017
Comercial: (69) 3322 3322 - Redação: (69) 3322 4871