Visitas: 44178106 - Online: 86

Sábado, 29 de Abril de 2017

Ultrasonografia
BIOCAL






21/11/2016 08:53:37
      
Em RO, professor é condenado a pagar indenização a transexual por não usar nome social

Decisão é de 1ª instância e educador pode recorrer

Um caso inusitado foi julgado pela Justiça de Rondônia. A juíza de Direito Duília Sgrott Reis, da 10ª Vara Cível de Porto Velho, sentenciou a empresa Faculdades Integradas Aparício Carvalho (FIMCA) e o professor da instituição, Umberto Gonçalves Ribeiro (foto) a pagar R$ 10 mil em indenização por danos morais a uma acadêmica transexual.

Cabe recurso da decisão.

De acordo com a declaração de Fernanda Ribeiro da Hora houve conduta preconceituosa por parte do docente que, mesmo verbalmente ciente de seu nome social e de como gostaria de ser chamada em sala de aula, continuava a denominá-la pelo nome civil de batismo.

Sem contar que havia, além disso, postura agressiva por parte de Gonçalves que varias vezes se referia à aluna como ‘cidadão’, ‘rapaz’, ‘jovem’ e ‘ele’ de forma maldosa.

“O nome social é designação que o indivíduo, de acordo com suas experiências, suas preferências e suas orientações, escolheu para lhe representar diante dos demais, por entender que o nome assentado em seus registros oficiais não condiz com sua personalidade, com sua identidade de gênero. Busca-se, portanto, evitar situações de humilhação e de discriminação, numa tentativa tanto de confortar sua própria aceitação, como de se integrar à sociedade”, destacou a juíza.

A representante do Poder Judiciário ainda salientou a gravidade da situação e seu antagonismo. Ela destacou que a instituição reconhece que foi feito o pedido para que a aluna fosse chamada pelo nome social e, por isso, orientou seus professores a agirem de acordo com o pedido, mas não promoveu a alteração no diário de classe, o que poderia ser sido feito e evitado todo o problema. Entretanto, a FIMCA optou em fazer orientação interna, porém sem externar sua conduta.

“Portanto, ao reverso do sustentado pela primeira ré, entendo que houve a prática de ato ilícito consiste em discriminar a parte autora, deixando de adotar as providências necessárias para efetuar a adequação do seu nome no diário de classe, como fixado na Portaria do Ministério da Educação”, prosseguiu.

Logo em seguida, avaliou a conduta do professor Umberto Ribeiro, que consistia em indagar onde estava a acadêmica, questionando:

“O senhor [nome de batismo] está por aí? Não estou vendo o senhor [nome de batismo]” e, ao vê-la, em vez de chamá-la pelo nome social, já que possui aparência feminina e havia formulado pedido verbal para que assim fosse denominado, optava por chamá-la por pronomes de tratamento ou nomes masculinos com nítido intuído de causar-lhe mal estar.

“No caso dos autos o dano moral restou devidamente evidenciado, consistente na discriminação sofrida pela parte autora, consistente em chamar-lhe pelo nome civil e não pelo nome social, apesar de haver pedido verbal neste sentido”, finalizou a juíza.



Fonte: Reprodução
Autor: Rondônia Dinâmica


teste










Newsletter

Digite seu nome e e-mail para receber muitas novidades.

SMS da Folha

Cadastre seu celular e receba SMS com as principais notícias da folha.






2017. Folha do Sul Online
Todos os diretos reservados - GNT Criativa
Sábado, 29 de Abril de 2017
Comercial: (69) 3322 3322 - Redação: (69) 3322 4871