Visitas: 39124820 - Online: 118

Quinta-Feira, 19 de Janeiro de 2017

CLARETIANO
BIOCAL





26/12/2016 08:00:11
      
Corumbiara: mulher é presa por acobertar estupro das duas filhas menores pelo padrasto

Vítimas dos abusos têm 13 e 15 anos

A Polícia Militar (PM) de Cerejeiras cumpriu mandado de prisão preventiva na última quinta-feira (22) contra uma mulher de 31 anos, indiciada por estupro continuado por omissão. De acordo com a Justiça, ela sabia que o companheiro, preso desde 2015, abusava das filhas de 13 e 15 anos, mas nunca o denunciou.

A PM encontrou a mulher em uma fazenda do distrito Vitória da União, em Corumbiara (RO). Conforme os autos do processo, desde 2010, quando a família morava no Estado de Paraná (PR), as duas meninas vinham sendo molestadas pelo padrasto.

As vítimas afirmam que, na época, contaram para a mãe, mas ela não acreditou e as mandou morar com a avó materna em outra cidade. Porém, a filha mais velha foi obrigada a retornar para a casa, pois a tia, que ficou com ela, não quis mais mantê-la.

Os estupros com a menor continuaram. Toda vez que a mãe saía de casa, o padrasto ia até o quarto da menina, tirava suas roupas, a obrigava passar a mão em seu órgão genital, enquanto ele passava as mãos nos seios dela e a beijava. Quando o crime acontecia, a menor chorava e gritava, contudo, o padrasto só parava quando desconfiava que algum vizinho estivesse próximo a casa.

Quando mudaram para Corumbiara em 2014, a vítima denunciou o padrasto para a patroa da mãe, que acionou o Conselho Tutelar.

Em atendimento social, a vítima relatou sobre os estupros sofridos, porém, a mãe alegou às autoridades que a filha demonstrava "um comportamento estranho de rebeldia e namoro" e defendeu o companheiro dizendo que ele era um bom marido, que teve um casamento conturbado devido seu ex-marido ser alcoólatra, mas que nunca desconfiou que o homem abusasse das filhas.

Na ocasião, o juízo determinou que o homem mantivesse uma distância mínima de 100 metros da menor. Porém, em 2015, ele voltou a morar sob o mesmo teto da vítima com a permissão da mulher, e foi preso.

Em novembro deste ano, a Justiça determinou também a prisão da genitora após entender que o simples fato de ter ciência da conduta do companheiro e nada ter feito, já caracteriza crime. Se condenada, ela pode pegar mais de 10 anos de prisão.



Fonte: Reprodução
Autor: G1 Cone Sul


teste









Newsletter

Digite seu nome e e-mail para receber muitas novidades.

SMS da Folha

Cadastre seu celular e receba SMS com as principais notícias da folha.






2017. Folha do Sul Online
Todos os diretos reservados - GNT Criativa
Quinta-Feira, 19 de Janeiro de 2017
Comercial: (69) 3322 3322 - Redação: (69) 3322 4871