Visitas: 39171727 - Online: 111

Sexta-Feira, 20 de Janeiro de 2017

CLARETIANO
BIOCAL





03/01/2017 17:16:23
      
Em Cerejeiras, 2016 foi ano de avanços e retrocessos na economia e na gestão pública

Comércio teve queda nas vendas e empregos sumiram; mas obras estão em andamento 

Ao que parece, o ano de 2016 vai deixar poucas saudades em Cerejeiras. Assim como no restante do Brasil, a população do município sentiu o peso implacável da recessão econômica e da crise política que assolam o país.

Para piorar, 2016 teve eleições municipais. Por 40 dias, dois grupos políticos em Cerejeiras travaram uma guerra de palavras nas redes sociais. Concorrendo contra o ex-prefeito Kléber Calisto (PMDB), que disputou a eleição sob liminar, o prefeito Airton Gomes (PP) conseguiu se reeleger, atingindo 61 por cento dos votos. Vitória foi esmagadora e dolorosa. 

As políticas públicas também sentiram forte o baque de 2016. O governo federal, que começou o ano com Dilma Rousseff (PT) e terminou com Michel Temer (PMDB) como presidente do país, cortou quase todas as verbas para o município. 

A saúde pública em Cerejeiras, por exemplo, viveu maus momentos no ano passado. Pela primeira vez, o centro cirúrgico do único hospital do município chegou a ser interditado temporariamente por representantes da classe médica. Mas, aos trancos e barrancos, os pacientes do município estão sendo atendidos, na medida do possível.

Na economia, Cerejeiras bateu no fundo do poço. A arrecadação do poder público municipal teve queda de 20 por cento, provocando a dispensa de 22 funcionários públicos e repercutindo na economia local.

A produção agrícola caiu de 10 a 20 por cento, também atingindo o comércio na cidade.

O comércio quase não conseguiu vender. Dos cerca de 800 empregos gerados nas empresas varejistas locais, cerca de 100 postos de trabalho evaporaram em 2016. Apenas para se ter uma idéia da situação, uma loja cerejeirense reduziu de 11 para 7 o número de funcionários no ano que terminou.

Mas nem tudo foi retrocesso em Cerejeiras em 2016. Apesar dos arrochos econômicos, o poder público municipal investiu em treinamentos de servidores, com um curso de liderança para funcionários, ministrado pelo renomado consultor empresarial Vinicius Paiva. 

Algumas obras, como a construção de um laboratório público e do teatro municipal, foram iniciados em 2016 e estão em andamento. A construção do novo terminal rodoviário foi concluída neste ano. 

O município termina o ano pagando todos os funcionários públicos, incluindo o pagamento do 13º salário. São poucas notícias boas num ano de muitas notícias ruins.



Fonte: Folha do Sul
Autor: Rildo Costa


teste









Newsletter

Digite seu nome e e-mail para receber muitas novidades.

SMS da Folha

Cadastre seu celular e receba SMS com as principais notícias da folha.






2017. Folha do Sul Online
Todos os diretos reservados - GNT Criativa
Sexta-Feira, 20 de Janeiro de 2017
Comercial: (69) 3322 3322 - Redação: (69) 3322 4871