Visitas: 55042880 - Online: 111

Terça-Feira, 24 de Outubro de 2017

VALDOMIRO RODEIO
LEO





23/01/2017 16:16:00
      
América do Sul importa camas e colchões produzidos pela fábrica da Gazin em Vilhena

Empresa paranaense chegou em Rondônia 11 anos atrás

Entre cem empresas, das quais seis estrangeiras, Lojas Gazin ocupou a 33ª posição, com faturamento de 1,730 bilhão de reais, conforme o ranking de 2012 do Instituto Brasileiro de Executivos de Varejo (Ibevar).

A cada meta alcançada, foguetes espocam em Douradina [noroeste do Estado do Paraná]. Em Vilhena, um grande sino de metal toca forte dentro do salão de exposição dos produtos.

É assim a empresa Móveis Gazin, uma das maiores cadeias de lojas varejistas do Brasil, cujos tentáculos estenderam-se a Rondônia, 11 anos atrás, e agora, a territórios bolivianos e peruanos.

O simbolismo do sino e dos foguetes caracterizam a sucessão de vitórias do grupo capitaneado com êxito pelo empresário Mário Valério Gazin.

Mário Gazin chegou a Rondônia após a consolidação do ciclo migratório e na afirmação da produção agrícola e madeireira. Tem motivos de sobra para comemorar o êxito da empresa que inteira o cinquentenário.

Em clima de prosperidade, a Gazin distribuiu, no ano passado 50 barras de ouro em sorteios entre clientes. Cada um de seus sete mil trabalhadores obteve R$ 1.723 [14º salário], pelo programa de participação nos lucros e resultados.

“Mesmo não tendo lojas em Manaus [Capital do Amazonas] e enfrentando concorrentes locais, vendemos bem por lá”, conta o gerente da fábrica Portal, Gilmar Alves de Oliveira, 40 anos.

De Vilhena, cidade de cem mil habitantes no leste de Rondônia, 4º município mais populoso do Estado e o 33º da Região Norte, os produtos viajam em caminhões baús e são embarcados em contêineres nas balsas no porto organizado de Porto Velho.

Pela rodovia BR-364, percorrem 538 quilômetros até Cáceres (MT), de onde atravessam para San Matias, San Ignácio de Velasco e Santa Cruz de La Sierra [Bolívia].

Numa sala ampla da administração da fábrica, um pôster na parede mostra trechos da rodovia Transoceânica e dois motes: Transportando sonhos /Sempre fazendo o melhor para você.

DEPOIS DA GEADA
Os 400 funcionários estão distribuídos entre os setores industrial, administrativo, manutenção e de distribuição. Gilmar é um dos entusiastas do grupo. Começou jovem, aos 22 anos, em Arenápolis (MT), trabalhando na sexta filial mato-grossense. De lá, em 2012 veio assumir a fábrica em Vilhena.

Ele se lembra do fator preponderante que levou o empresário Mário Gazin a instalar filiais em Mato Grosso: “Depois da geada que matou o café no Paraná, ele levou uma mudança para São José do Rio Claro [246 quilômetros ao norte de Cuiabá], aí abriu uma loja, depois outras e chegou aqui [Rondônia]”.

As fábricas da Gazin ficam em Candelária (RS), Jaciara (MT), Douradina (PR), Feira de Santana (BA) e Vilhena.

EMPRESA OFERECE VANTAGENS
Vilhena tem renda per capita [por cabeça] de R$ 16,2 mil e Índice de Desenvolvimento Humano de 0,731. De acordo com a classificação do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, esse índice é o melhor de Rondônia e o 3º melhor do Norte do Brasil.

“Realmente, nossas condições de trabalho e o ambiente fraterno estimulam o crescimento profissional”, observa Gilmar.

“Todos almoçam aqui, compartilhando suas vidas. A Gazin oferece plano de saúde da Unimed, fisioterapeuta, fonoaudiólogo e cobre 50% de um plano odontológico pelo qual o funcionário paga apenas R$ 20.

“Fabricamos a espuma usada em nossos produtos e também fornecemos para concorrentes”, ele diz.

Para obtê-la, a Gazin importa matéria-prima da Argentina e da França. Trata-se dopoliol, um álcool contendo múltiplos grupos hidroxila, e do tolueno diisocianato 80/20 (TDI), principal componente da espuma, insumo essencial para produção de colchões.

Aplicação e densidades são fiscalizadas pelo Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro).

Segundo Gilmar, até dois anos atrás a empresa adquiria madeira reflorestada no Rio Grande do Sul. Agora, adquire madeira certificada em Rondônia, consumindo 720 metros cúbicos por mês. O principal fornecedor é o empresário Vilson Tutatti, de Espigão do Oeste.



Fonte: Folha do Sul
Autor: Montezuma Cruz


teste










Newsletter

Digite seu nome e e-mail para receber muitas novidades.

SMS da Folha

Cadastre seu celular e receba SMS com as principais notícias da folha.






2017. Folha do Sul Online
Todos os diretos reservados - GNT Criativa
Terça-Feira, 24 de Outubro de 2017
Comercial: (69) 3322 3322 - Redação: (69) 3322 4871