Visitas: 56647276 - Online: 157

Segunda-Feira, 20 de Novembro de 2017

CLARETIANO
LEO





26/05/2017 10:48:36
      
Alunos protestam, criticam vereador e ameaçam ocupar escola que será militarizada em Vilhena

 “Não somos contra uma escola militar, somos contra que ela seja implantada no Zilda”

Alunos da escola Zilda da Frota Uchoa, para a qual existe um projeto proposto pelo vereador Suchi (PTN) de militarização do ensino, fizeram na manhã desta sexta-feira, 26, um protesto contra a iniciativa do parlamentar. O decreto que permite à instituição como extensão do Colégio Militar Tiradentes, de Porto Velho, apresentado pelo Governo do Esttado, já foi aprovado na Assembleia Legislativa.
  
De acordo com a direção da escola, a iniciativa partiu dos alunos do ensino médio, mas teve a adesão de estudantes do fundamental. A direção também esclareceu que as aulas aconteceram normalmente para aqueles que não aderiram ao movimento. “O Zilda sempre funcionou de forma democrática, se o aluno quer protestar, ele tem esse direito, mas precisa respeitar o direito de quem optou por estudar, e isso acontece”, disse o diretor Antônio Nogueira.

Concentrados em frente à escola, dezenas de alunos seguravam cartazes e gritavam palavras de ordem contra a militarização. Mas, ressaltam que não são contra uma escola militar, e sim contra a militarização do Zilda da Frota Uchoa.  “Não somos contra uma escola militar, somos contra que ela seja implantada no Zilda, uma escola que tem quase 35 anos de história e a gente não quer que essa história acabe com um simples decreto. Se construírem uma escola vai ser melhor para o nosso município, vai ser melhor para todo mundo, mas não no Zilda. Muita gente estuda aqui desde o sexto ano e não queremos que os militares cheguem aqui e tomem a nossa escola”, disse Ana Caroline Pereira, estudante de 15 anos. 

Os alunos, que chegaram a bloquear temporariamente o tráfego de veículos em frente a escola, se dizem temerosos pelo futuro, porque ninguém ainda apresentou projeto algum que explique como será o funcionamento do colégio pós-militarização. “A gente tem em mãos um projeto de militarização que eles dizem que não é esse modelo que será adotado no Zilda, mas já que esse não é o modelo, que eles tragam pra gente o projeto deles para a gente ficar seguro, por que aqui ninguém está seguro; a gente não sabe se vamos poder permanecer na escola, se  teremos que pagar, ou fazer provas para ingressar, o que nós queremos são respostas, respostas que até hoje ninguém deu”, explicou Ana Caroline. 

“Ele (vereador Suchi) não conversou com ninguém, nem com alunos, nem com os pais, nem com a direção da escola. Alguns pais foram atrás e ele disse que iria implantar e pronto. A ordem veio lá de cima, ele simplesmente decidiu que a escola Zilda iria ser militar e acabou. Para ele a nossa opinião não serve de nada, somos apenas estudantes sem nenhum direito de ser escutado, quando somos nós que fazemos a escola. Por isso estamos fazendo este manifesto, e se for preciso chegar ao extremo de ocuparmos a escola, nós iremos ocupar”, disse a estudante de 16 anos, Maiara Reis.    



Fonte: Folha do Sul
Autor: Da redação


teste










Newsletter

Digite seu nome e e-mail para receber muitas novidades.

SMS da Folha

Cadastre seu celular e receba SMS com as principais notícias da folha.






2017. Folha do Sul Online
Todos os diretos reservados - GNT Criativa
Segunda-Feira, 20 de Novembro de 2017
Comercial: (69) 3322 3322 - Redação: (69) 3322 4871