Visitas: 52930132 - Online: 203

Quinta-Feira, 21 de Setembro de 2017

Ultrasonografia
LEO





30/08/2017 09:58:22
      
Cerejeirense de 49 anos é infectado com malária, doença comum no tempo da colonização de RO

Homem que contraiu tinha viajado para Candeias do Jamari

Foi registrado, no início deste mês, em Cerejeiras, o caso de uma das doenças mais antigas da região do Cone Sul: a malária. A incidência da doença no município não é razão para alarme, mas, conforme avisam os profissionais de saúde, é motivo de precauções, especialmente para moradores da região que visitarem locais onde o foco da malária ainda existe.

Segundo apurações do FOLHA DO SUL ONLINE, o cerejeirense que contraiu a doença é um homem de 49 anos. Conforme registros da FUNASA no município, o paciente, que descobriu a doença após exame num laboratório particular, esteve internado no hospital municipal de Cerejeiras no início deste mês. Ainda de acordo com esses registros, o homem começou a sentir os sintomas da doença no dia 29 de julho, após voltar de uma viagem a Candeias do Jamari. Sinais da enfermidade, dentre outros, são febre e dor de cabeça. O registo do doente na FUNASA foi feito no dia 08 de agosto.

Diz o técnico em saúde Genésio Gomes, conhecido em Cerejeiras como Genésio da Sucam, que trabalhou no combate à doença no município no tempo da colonização, que a constatação de um caso na região não é motivo de alarde, mas faz uma recomendação. “Esse registro é típico do que chamamos de casos importados, ou seja, quando a pessoa vai para um local de risco e se infecta com o mosquito Anopheles, o transmissor da malária. Não temos essa doença ativa aqui no município, mas recomendamos a quem for viajar para esses lugares que tomem cuidado”, disse.

O cerejeirense infectado pela malária tomou medicamentos e passa bem. No entanto, segundo Genésio da Sucam, a doença é perigosa. “Se não for tratada, a malária pode matar em alguns casos. E é bom ficarmos alertas,  porque vivemos numa região em que existem riscos. Na verdade o mosquito transmissor ainda existe aqui no Cone Sul. O que não existem são pessoas infectadas para o mosquito transmitir a doença”.




Fonte: Folha do Sul
Autor: Rildo Costa


teste










Newsletter

Digite seu nome e e-mail para receber muitas novidades.

SMS da Folha

Cadastre seu celular e receba SMS com as principais notícias da folha.






2017. Folha do Sul Online
Todos os diretos reservados - GNT Criativa
Quinta-Feira, 21 de Setembro de 2017
Comercial: (69) 3322 3322 - Redação: (69) 3322 4871