Visitas: 56624655 - Online: 121

Domingo, 19 de Novembro de 2017

CLARETIANO
LEO





20/10/2017 09:15:25
      
Preço da botija de gás sobe 5% em Vilhena, clientes reclamam e lucro das revendas diminui

Elevação repassada essa semana pela Petrobras aumentou em R$ 3 o preço do produto

Após o anúncio da Petrobras de aumento em 12% no preço do gás entregue às revendas de Vilhena e outras cidades do Estado, o produto ficou R$ 3 mais caro nas botijas de 13kg aos consumidores locais. A justificativa, segundo a empresa, é a onda de furacões que afetou a produção de gás do Golfo do México, importante exportador para o Brasil. O aumento vigora na cidade desde quarta-feira, dia 18, e reduziu a lucratividade das cerca de 10 revendas de gás do município, além de gerar reclamações dos usuários. 

Apesar de Rondônia estar longe da rota de desastres naturais, boa parte do gás consumido no Estado é importado da região afetada. A paralisação da produção de petróleo e gás no Golfo do México fez a oferta do produto diminuir e o preço aumentar. 
Cacoal foi a cidade que mais sofreu: lá, o preço foi a R$ 87, enquanto Candeias do Jamari, perto da central de distribuição, paga R$ 63. Em Vilhena, os preços variam de R$ 77 a R$ 80 para retirada na empresa e de R$ 80 a R$ 83 para botijas entregues em domicílio. 

De acordo com empresários do ramo entrevistados em Vilhena, o reajuste alto da Petrobras não foi repassado integralmente ao consumidor, comprometendo, assim, o lucro da atividade. Os 12% de aumento no preço do gás foi traduzido em apenas 5% de reajuste no valor final, por enquanto. Algumas revendedoras planejam aumentar o preço em “parcelas”. 

HISTÓRICO
As reclamações dos consumidores, que já sofreram com vários aumentos no preço do gás em anos recentes, passou a ser mais frequente. Em outubro de 2015, exatos dois anos atrás, a botija de 13kg era vendida por R$ 64 em Vilhena, valor quase 25% menor do que o mais caro praticado hoje na cidade. 

O mal desempenho da Petrobras, a falta de estoque suficiente, as péssimas condições das vias e a dependência brasileira do mercado internacional são as principais causas da problemática. Apesar de, em Vilhena, o preço ser baseado em uma única cotação, cada revenda tem autonomia para decidir o valor final de seu produto, e este pode variar para baixo caso a empresa possa ter equipe reduzida, caminhões próprios de frete, custos de manutenção menores ou logística de entrega aprimorada. 



Fonte: Folha do Sul
Autor: Herbert Weil


teste










Newsletter

Digite seu nome e e-mail para receber muitas novidades.

SMS da Folha

Cadastre seu celular e receba SMS com as principais notícias da folha.






2017. Folha do Sul Online
Todos os diretos reservados - GNT Criativa
Domingo, 19 de Novembro de 2017
Comercial: (69) 3322 3322 - Redação: (69) 3322 4871