Visitas: 61459092 - Online: 115

Segunda-Feira, 19 de Fevereiro de 2018

CLARETIANO
Rondocap

16/01/2018 15:59:21
      
Empresa vilhenense é alvo da “Operação Zona Cinzenta” da PF que investiga importação irregular de equipamentos médicos

Empresas de Ji-Paraná, Porto Velho e de outras 43 cidades brasileiras também são investigadas pela operação

 

Na manhã desta terça-feira, 16, a Polícia Federal deu início a “Operação Zona Cinzenta” em 46 cidades de 18 estados brasileiros e no Distrito Federal. Equipes do PF nestas cidades foram a hospitais, clínicas e laboratórios para cumprir mandados de busca e apreensão de equipamentos médicos e documentos.

 

A operação foi desencadeada pela PF de Santa Catarina. Por telefone, o Site FOLHA DO SUL ONLINE conversou com o Delegado da PF da cidade de Dionísio Cerqueira-SC, Sandro Luiz Bernardi, responsável pela operação, que confirmou que empresas rondonienses nas cidades de Porto Velho, Ji-Paraná e Vilhena, foram alvos de operação.

 

Em Vilhena, o alvo foi a Mega Imagem, cujos mandados de busca e apreensão eram para equipamentos médicos e documentos, e foram cumpridos nas primeiras horas do dia.  “O objetivo hoje era apreender esses aparelhos, e buscar informações como forma de pagamento, valor pago, quanto eles faturavam em cima desses valores”, disse o delegado.

 

De acordo com Bernardi, as investigações identificaram um grupo que importava equipamentos médicos de forma irregular. “Foram identificadas 13 importações clandestinas, dez delas sem qualquer registro e três delas com registros de mercadorias diversas. Traziam equipamentos médicos, mas registravam como se fosse equipamento tipográfico, para burlar a fiscalização, pois esses equipamentos são usados e não podem ser importados sem a autorização da ANVISA”, explicou.

 

Os equipamentos importados de forma fraudulenta, como classificou o delegado, após ingressarem no Brasil eram levados para um depósito em São Paulo, e de lá eram revendidos para o Brasil inteiro a partir de uma empresa que emitia Nota Fiscal da capital paulista aos compradores, claro em valor muito abaixo do preço real do produto. “São objetos grandes e caros, são Tomógrafos, Mamógrafos, aparelho para Densitometria”, enumerou Bernardi antes de prosseguir: “Tem equipamentos desses que pode custar entre 200 e 300 mil Reais. E na nota fiscal custavam, em geral, 10% desse valor”, apontou.

 

De acordo com o delegado, isso era feito com o objetivo, além de burlar a fiscalização da ANVISA, também de sonegar o Imposto de Importação, IPI e o ICMS. No entanto, o delegado disse que: “a princípio estamos considerando que essas empresas agiram de boa fé”.

 

O site abre espaço para que a empresa Mega Imagem se manifeste quanto à ação policial em suas dependências na manhã de hoje. 



Fonte: Folha do Sul - FOTO: ILUSTRATIVA
Autor: Rogério Perucci


teste










Newsletter

Digite seu nome e e-mail para receber muitas novidades.

SMS da Folha

Cadastre seu celular e receba SMS com as principais notícias da folha.






2018. Folha do Sul Online
Todos os diretos reservados - GNT Criativa
Segunda-Feira, 19 de Fevereiro de 2018
Comercial: (69) 3322 3322 - Redação: (69) 3322 4871